Assista também no Porta Curtas

 

 


SINOPSE

O sórdido, o pútrido e o fétido.
O bizarro, o escatológico e o grotesco.
Ervilhas, urina e galináceas.

 
    


NOTAS DE PRODUÇÃO

Marão recebe um Prêmio de Co-Produção da FUNARTE para um próximo trabalho.
Ele convida um grupo, que fará então um trabalho coletivo, chamado ENGOLERVILHA, composto por vinhetas bizarras ou escatológicas de 15 a 30 segundos.
Fábio Yamaji aceita participar e filma sua parte em Stop Motion na Trattoria.
Demian começa a cena do cachorro.
Os negativos são liberados e Marão os leva para sua geladeira.
Até agora, o filme é composto das animações prontas de Marão, Cláudio Roberto e Yamaji.

Carlos D anima uma seqüência tão assustadora e incompreensível que é eliminado do filme.
Demian já tem 30 segundos de sua cena e continua a inventar situações nojentas com o cão.
As filmagens são agendadas.
Fernando Miller é convidado a realizar uma vinheta, mas está trabalhando dia e noite para poder pagar o aluguel e não consegue arranjar tempo.

 

Cláudio Roberto está cansado de esperar e considera transformar sua seqüência em um vídeo próprio.
Daniel, primo do diretor, volta da Bulgária por um mês e compõe três músicas originais no violino para as vinhetas de Marão.
Demian vem pro Rio para terminar sua cena, que já tem um minuto.
Daniel grava o violino e volta para a Bulgária.
Miller continua sem tempo.
Cláudio quer sua animação de volta para fazer dela um vídeo.
Yamaji acha que o filme nunca ficará pronto.
Carlos D inicia outra vinheta, pintando com lápis de cor.
A cena de Demian já tem um minuto e meio.
Marão convence Miller a não dormir pela próxima semana e começar sua vinheta.
No primeiro dia de filmagens a abertura, Chapeuzinho Vermelho, jogo de cartas e vacas submarinas são filmadas.
Marão e Carlos D viram duas noites pintando bosta.
Cena do Demian chega a dois minutos.
Uma animação de Mórtimer Só é encontrada no chão e é imediatamente integrada ao filme.
Demian recebe um ultimato e encerra a cena do cão, uma pilha de mais de seiscentos desenhos.

    

 

    

Filmagem de girafas, do cachorro que lambe o saco e das cartelas que intercalam as vinhetas.
Na véspera do último dia de filmagens; a cena de Miller não está pronta.
Ele vira a noite desenhando.
De manhã, Marão telefona, mas ainda não está pronto.
Marcam ao meio-dia.
Ao passar lá para buscar os desenhos, ainda não está pronto.
Miller resolve desistir, com receio de não conseguir concluir a tempo e estragar o filme.
Pedido negado.
Miller e Marão seguem para FUNARTE.
Enquanto Marão filma o que está pronto, Miller continua a desenhar compulsivamente na sala ao lado.
Faltando cinco minutos para o fechamento do prédio da FUNARTE, ainda faltam cinco desenhos.
Marão fotografa os quatro últimos.
Faltando um minuto, Miller entra correndo na sala da truca, com o último desenho da galinha, no mesmo instante em que o penúltimo acaba de ser fotografado.
A animação está pronta!

 

 

Negativos são revelados.
O copião é montado em uma antiga moviola na TV CULTURA, cuja existência era desconhecida há anos pelos funcionários da emissora.
As cartelas são locadas entre as animações.
O maior problema é a cena de Demian, que teve um ciclo filmado errado.
A montagem tenta minimizar o problema, mas não resolve.
O filme é telecinado.
Uma facção defende que deveria ser mudo.
Cláudio Roberto e Fábio Yamaji confeccionam a trilha sonora de suas cenas.
Ota começa a animar uma cena para o filme, mas é tarde demais.
Marão liga várias vezes para Guilherme Briggs – que faz as vozes de Freakazoid, Buzz Lightyear e Tarzan, para que ele duble o ENGOLERVILHA, mas não o encontra.
Carlos D grava as vozes de sua seqüência em sua casa.
Briggs volta de viagem e marca gravação de vozes para o desenho.

    

 

    

Carlos acidentalmente apaga o áudio de sua seqüência do seu computador.
Guilherme Briggs grava as vozes do filme em estúdio pago.
As poucas pessoas que assistem ao copião odeiam o filme, considerando-o grosseiro e gratuitamente ofensivo.
Cada gravação de som foi feita em um volume diferente, em lugares distintos.
Alguns sons estão distorcidos e outros quase inaudíveis.
Os diálogos em português e inglês das cenas do Cláudio e Carlos são cortados.
O som é mixado e Marão zera sua conta bancária pagando os estúdios e as transcrições para o ótico.
Os negativos são montados, de acordo com o copião.
Em seguida, a luz é marcada.
Com o negativo de imagem montado e o som transcrito para o ótico, a primeira cópia em pelicula 35mm finalmente está pronta para ser projetada em uma sala de cinema.

Dá muito trabalho fazer um filme coletivo.

 

FESTIVAIS
 
    

 

11º Festival Internacional de Animação ANIMA MUNDI (Prêmios: MELHOR FILME BRASILEIRO RJ / SP)
Mostra Curta Belas (MG)  

Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo (SP)  
Leipzig Dokfilmfest (Alemanha)  
Projeto Curtas na Hora do Almoço (Porto Alegre)  
Mostra de Animação ANIMARTE (RJ)  
Mostra Brasileira de Animação CINEANIMA (MG)  
Curta Franca (SP)  
Cine Araribóia (Niterói)  
Festival da Diversidade Sexual MIX BRASIL (SP/DF/RJ)  
Festival Internacional del Nuevo Cine Latinoamericano de Havana (Cuba)  
13ª Mostra Curta Cinema (RJ)  
10º Festival de Cinema de Vitória (Prêmio: Melhor Filme de Animação)  
Mostra do Filme Livre (RJ)  
Cineclube Abedistas (MAM)  
II Festival de Cinema de Ribeirão Preto (Menção Honrosa)  
Curta-SE em Sergipe (Prêmio: Melhor Filme de Animação)  
Festival de Cinema Universitário (Sessão Ex-Alunos)    
27º Festival Guarnicê de Cinema do Maranhão (Prêmio: Melhor Filme de Animação)
Festival Internacional de Cinema de Belo Horizonte (MG)    
Mostra de Rio das Ostras (RJ)    
Mostra de Animação Underground MÚMIA (MG)    
Festival de Cinema de Teresina (Piauí)    
Curta Petrobras às Seis (sete Estados)    
ANNECY International Animated Film Festival/Programa Charmes du Brésil (França)
     
PRÊMIOS
 
   

MELHOR FILME BRASILEIRO RJ / SP no 11º Festival Internacional de Animação ANIMA MUNDI

Melhor Filme de Animação no 10º Festival de Cinema de Vitória
Menção Honrosa no II Festival de Cinema de Ribeirão Preto
Melhor Filme de Animação no Curta-SE 4
 
 


FRASES PARA DIVULGAÇÃO:

“Isso foi a pior coisa que você já fez na vida.”
Estudante de medicina

 
“Devia enfiar aquela última vinheta no rabo de quem fez.”
Designer feminista
“Eu me senti agredida. É grotesco, desnecessário.”
Balzaquiana solteira carioca
“De muito mau gosto.”
Estudante de cinema, terceiro período
“Quero que tire meu nome dessa merda!”
Ex-produtora associada do Engolervilha
“Por que você fez isso?”
Advogada recém-formada
“Eu fechei os olhos três vezes”
Consultora tributária
“Eu ainda não assisti, mas já me disseram que é horrível.”
Freqüentadora de cineclubes

“Tomara que você vá à falência, para nunca mais fazer trabalhos deste tipo.”
Animador da Paraíba

“Ela sentiu um pouco de náusea, mas conseguiu ver até o final.”
Sobre integrante de comitê de seleção de um importante festival de cinema brasileiro

“Esse filme não vai ser selecionado pra lugar nenhum, vai afundar a sua carreira e é bem feito, pra você aprender.”
Parente do diretor

 

      

FICHA TÉCNICA

Título: ENGOLERVILHA
Duração: Oito minutos
Formato: 35mm, colorido
Direção: Marão
Roteiro e Animação: Marão, Cláudio Roberto, Carlos D, Mórtimer Só, Fábio Yamaji,
Demian e Fernando Miller
Produção: Marão
Música: Daniel Marão, Evandro Jr. e LAVAJATO
Dublagem: Guilherme Briggs
Truca: Joaquim Eufrasino
Ano de produção: 2003
Co-Produção: FUNARTE / CTAv

 


Tradução oficial do título ENGOLERVILHA para outras línguas

Inglês: FEMALE WHALES AREN’T MONOGAMOUS
Francês: MA FESSE EST UN GORILLE
Italiano: DIFRONTE AL GABINETTO
Alemão: ALLES VERGHET

ASSISTA AGORA